segunda-feira, 12 de outubro de 2009

100 ANOS DE AMOR E GLÓRIAS

Fala Nação Alviverde

O CORITIBA FOOT BALL CLUB completa hoje 100 anos de êxistencia.A cada ano o Coritiba F.C está crescendo mais e por isso é o maior time do Paraná.



História:

Apelido:

Em função da sua origem germânica, os times do Coritiba no início de sua história eram formados basicamente por descendentes de alemães, que com suas peculiares aparências (altos, fortes e claros), eram alvos fáceis para as provocações iradas vindas das torcidas adversárias.

Em um AtleTiba, no ano de 1941, o ainda torcedor Jofre Cabral e Silva - que depois se tornaria presidente do time da Baixada -, exaltado ao extremo pelo fato do seu time estar perdendo um clássico AtleTiba, começou a berrar com o zagueiro Hans Breyer, chamando-o de “quinta-coluna”. Ao perceber que Breyer não lhe dava ouvidos, Jofre Cabral começou a gritar incessantemente: “Coxa-Branca! Coxa-Branca!”.

O apelido acabou pegando e o que era para se transformar numa afronta, virou motivo de orgulho para a fiel torcida Coxa. Com o passar do tempo, o termo foi assimilado pela torcida coritibana e a expressão “Coxa” virou sinônimo do amor da galera.

Com o passar das décadas, os torcedores alviverdes aderiram e adotaram de coração o termo “Coxa”, que virou marca duma torcida. Tanto que virou hino: aos gritos de “Coxa eu te amo!”, a torcida saúda seu time nos momentos difíceis, algo que já se transformou em cultura dos torcedores do Coritiba.

História Coritiba:

Tudo começou pelo entusiasmo de um grupo de amigos curitibanos que gostava de praticar esportes. Frederico Essenfelder, o Fritz, foi o grande responsável quando apareceu com uma bola de futebol, novidade no inicio do seculo.

Uma equipe foi formada para disputar um amistoso em Ponta Grossa. A equipe adversaria era formada por jovens que frequentavam o Tiro de Guerra 21 e ingleses que trabalhavam na Companhia Engeneering. No dia 23 de outubro de 1909 foi realizada a partida. Vitória do Clube de Foot-ball Tiro Pontagrossense por 1 a 0, gol de Charles Wright o responsavel pela introdução do futebol no estado.

Na volta da viagem, João Viana Seiler, lançou a idéia de se fundar um novo clube. Reuniões foram realizadas no Teatro Hauer e, no dia 30 de janeiro de 1910, era fundado o Corytibano Foot Ball Club. Mas por idéia de João Viana Seiler, a data oficial passaria a ser o dia 12 de outubro de 1909, por ter sido naquele dia oficializado o convite para a partida de futebol em Ponta Grossa.

O Coritiba Football-Club foi fundado em 12 de outubro de 1909, por maioria de descendentes de alemães e batizado de Corytibano e, em 1910 passou a se chamar Corytiba, como era chamado a capital do estado na época. Em 1912 a cidade mudou seu nome para Curytiba mas o clube não acompanhou a alteração. Em 1915 o clube tirou o "y" do nome, adotando a atual denominação.

João Viana Seller foi o primeiro presidente e passou, então, a preparar, juntamente com os demais companheiros, um campo para os treinos. Este campo foi feito no centro da pista de corridas do hipódromo do Guabirotuba.

A inauguração foi contra a equipe do Ponta Grossa Foot-Ball Club (nova denominação do Clube de Foot-ball de Tiro Pontagrossense) no dia 12 de junho de 1910. Vitoria do Coritiba por 5x3. Sucessivamente as duas equipes passaram a fazer amistosos para difundir o novo esporte.

Hino do Coritiba:

Lá no alto de tantas glórias

Brilhou, Brilhou um novo sol

Clareando com seus raios verde e branco

Encantando o país do futebol

Palco de artistas, jogadores, de um passado sem igual

Da arte dos teus grandes valores

O seu nome pelo mundo vai brilhar

Coritiba, Coritiba campeão do Paraná

Tua camisa alviverde

Com orgulho para sempre hei de amar

Jogando pelos campos brasileiros

Despertando na torcida emoção

Coritiba Campeão do Povo

Alegria do meu coração

Coxa, Coxa , é garra , é força, é tradição

Coxa, Coxa, explode o coração.



Gostou? Então clike aqui e escute mais!







Estádio:


Antônio Couto Pereira (Alto da Glória)

Até 1977 o estadio se chamava Belfort Duarte, uma homenagem ao ex-jogador e, um dos fundadores do América do Rio de Janeiro. O major Antônio Couto Pereira foi presidente do Coritiba em dois mandatos: de 1926 a 1927 e de 1930 a 1933. Foi ele quem comprou o terreno e iniciou a construção do estádio.
O jogo inaugural foi no dia 15 de novembro de 1932, Coritiba 4 x 2 América/RJ, Gildo do coxa fez o primeiro gol do estadio.


Área comprada para fazer o estádio


Sociais



Inauguração do Belfort Duarte (avião "atira" a bola para começar o jogo)


Placar do jogo


Couto hoje

Campeonato Brasileiro 1985:

A "Taça de Ouro" (nome do campeonato brasileiro de 1985) foi disputada por 42 equipes. Nos grupos A e B, ficaram os vinte times com mais pontos no ranking da CBF (entre eles, o Coritiba).Já nos grupos C e D, as equipes mais bem colocadas nos campeonatos regionais de 1984 (como campeão paranaense, o Pinheiros é o outro clube do estado a participar no torneio).

Favoritos

Antes de iniciar o Campeonato, seis clubes dividiam a atenção e preferência dos analistas esportivos. Veja os destaques de cada uma destas equipes:

* Corinthians: Carlos, Édson, Juninho, De León, Wladimir, Dunga, Biro-Biro, Casagrande, Zenon, Paulo César, Arthurzinho, Serginho e João Paulo.

* Fluminense: Paulo Vítor, Aldo, Duílio, Ricardo Gomes, Vica, Branco, Jandir, Leomir, Delei, Romerito, Assis, Washington e Tato.

* Atlético Mineiro: João Leite, Nelinho, Luizinho, Paulo Isidoro, Elzo, Éverton, Sérgio Araújo, Reinaldo, Edivaldo e Éder.

* Flamengo: Fillol, Jorginho, Leandro, Mozer, Andrade, Adílio, Tita, Bebeto, Robertinho eLico.

* São Paulo: Oscar, Darío Pereyra, Nelsinho, Pita, Müller, Careca e Sidney.

* Internacional: Gilmar, Luís Carlos Winck, Aloísio, Mauro Galvão, Ademir, Ruben Paz e Kita.

A camisa do uniforme número 2 do Coritiba (com faixas verticais) foi usada em oito partidas. Com ela, o Coritiba venceu cinco vezes, empatou duas e perdeu somente uma vez. A média foi de 1,50 pontos por jogo. Usando a camisa do uniforme número 1 (com duas faixas horizontais), o clube obteve sete vitórias, cinco empates e nove derrotas. Média de 0,90 pontos por jogo. Comprovando a "boa sorte" da camisa número 2 naquele ano, foi com ela que o clube venceu o Santos no último minuto; se classificou para a final contra o Atlético no Mineirão e, principalmente, enfrentou o Bangu na partida decisiva. Entre os jogadores, esta camisa era conhecida como "Jogadeira".

Patrocínio:

A empresa paranaense "Britânia", de produtos eletrodomésticos, teve seu patrocínio estampado na camisa do Coritiba durante todo o torneio.

Ponto forte da equipe:

Rafael, com suas defesas milagrosas, tornou-se "São Rafael" depois da conquista. No meio, o menino Toby ditava o ritmo de jogo com dribles e passes insinuantes. E, na frente, os pontas Lela e Édson infernizavam as defesas adversárias com dribles e cruzamentos na medida. Taticamente, a equipe era muito perigosa quando jogava fora de casa ou o adversário buscava o gol. Segundo seu treinador, Ênio Andrade, as vitórias eram conquistadas na base da paciência, pois o time jogava atrás, esperando o adversário atacar para ganhar nos contra-ataques.

Ponto negativo da equipe:

A zaga demorou a se entrosar. Gardel, Caxias, Vavá, Gomes e Heraldo se alternaram como titulares, cometendo erros que somente eram corrigidos pelo goleiro Rafael. Na frente, Índio perdia muitos gols (ele ficou dezesseis rodadas seguidas sem marcar um gol sequer). Taticamente, a equipe não conseguia furar o bloqueio de times que jogavam na retranca, o que explica os resultados ruins na primeira fase quando jogava em seu estádio. Quando começou a disputar jogos contra times mais qualificados, que vinham para cima, os bons resultados em casa começaram a aparecer.

Equipe:

Goleiro:

Rafael foi titular em todo o torneio. Ele não jogou a 12ª e a 13ª partida por estar suspenso e a 27ª partida por ter recebido o 3º cartão amarelo.

Lateral-direita:

André começou titular, mas depois da derrota para o Vasco (4ª partida), perdeu a posição para Zé Carlos. Esta situação permaneceu até a 8ª rodada, quando André reassumiu seu posto.

Zagueiros:

Na primeira fase, Vavá foi titular absoluto de uma das posições na zaga. A outra vaga foi de Gardel, Heraldo, Caxias e Gomes, cada um jogando 4 ou 5 partidas. Quando a segunda fase começou, a dupla Gomes e Heraldo conquistou a titularidade e assim permaneceu até o final do torneio.

Lateral-esquerda:

Hélcio começou como titular. Dida foi adquirido e, então, a partir da 4ª partida, assumiu o time titular.

Meio-campo:

Da 1ª à 10ª partida, o Coritiba utilizou um volante (geralmente Marildo) e dois meias de ligação, Toby e Aragonés ou Marco Aurélio. Como Aragonés foi vendido e Marco Aurélio estava com problemas de contusão, o time passou a jogar com dois volantes (Almir e Marildo) e apenas um homem de armação, Toby.

Ponta-direita:

Lela foi o titular por todo o campeonato. Somente não participou de cinco partidas, por ter sido expulso (duas vezes) ou levado o terceiro amarelo (três vezes). Seu substituto era Gil.

Centro-avante:

Índio foi o titular da posição, não tendo atuado apenas na 11ª e na 23ª partida, por ter sido expulso e por ter levado o 3º cartão amarelo, respectivamente.

Ponta-esquerda:

Édson foi o titular da posição. Machucou-se de forma grave e praticamente não jogou da 12ª à 19ª partida. Neste período, foi substituído por Paulinho e depois Vicente.






Títulos:

Conquistas Nacionais/Estaduais:

Campeonato Brasileiro : 1985

Brasileiro Série B: 2007

Festival Brasileiro de Futebol
: 1997

Torneio
do Povo: 1973

Campeonato Paranaense: 1916, 1927, 1931, 1933, 1935, 1939, 1941, 1942, 1946, 1947, 1951, 1952, 1954, 1956, 1957, 1959, 1960, 1968, 1969, 1971, 1972, 1973, 1974, 1975, 1976, 1978, 1979, 1986, 1989, 1999, 2003, 2004 e 2008.(33)

Torneio Início do Paranaense: 1920, 1921, 1932, 1939, 1941, 1942, 1951, 1952 e 1957

Taça Cidade de Curitiba: 1976 e 1978

Conquistas Internacionais:

Taça Akwaba (Abdian/Costa do Marfim): 1983

Torneio Internacional de Verão (Curitiba-PR/Brasil): 1968, 1969 e 1971

Taça Pierre Colon (Cidade de Vichy/França)

Fita Azul Internacional: 1972

Presidentes:


1909 a 1911 - João Viana Seiler
1912
- Leopoldo Obladen
1913
a 1914 - João Viana Seiler
1915
- Frederico Essenfelder
1916 a 1917
- Constante Fruet
1918
- Cândido Guedes Chagas
1919
- Epaminondas Santos
1920
- Roberto Emilio Naujoks
1921
- João Viana Seiler
1922
a 1925 - João Meister Sobrinho
1926
- Constante Fruet
1927 a 1928
- Antônio Couto Pereira
1929
- Jocelyn de Souza Lopes
1930
- Pedro Nolasco Pizzatto
1931 a 1934
- Antônio Couto Pereira
1935
- João Viana Seiler
1936
- Bernardo Leinig
1937 a 1945
- Antônio Couto Pereira
1945
- Plácido Mattana
1946
- Lauro Schleder
1947
- Antônio da Silva Pereira
1948
- Tércio Rolim de Moura
1949
- Agostinho Pereira Alves
1949
- Ulysses Moro
1950
- Lauro Schleder
1951
- Reinaldo Dacheux Pereira
1952 a 1953
- Amâncio Moro
1954 a 1955
- Antônio Anibelli
1956 a 1963
- Aryon Cornelsen
1963
- Antônio Pattittuci
1963
- Michel Zaidan
1964 a 1965
- Reinaldo Dacheux Pereira
1965
- Leonardo Costódio
1966 a 1967
- Lincoln Hey
1967 a 1979
- Evangelino da Costa Neves
1980
- Amauri Cruz Santos
1980 a 1981
- Edison José Mauad
1982 a 1987
- Evangelino da Costa Neves
1988 a 1989
- Bayard Rachawski Osna
1990 a 1991
- João Jacob Mehl
1992 a 1995
- Evangelino da Costa Neves
1995 a 1996 - Edison José Mauad
1996 a 1997
- Joel Malucelli
1998 a 1999
- João Jacob Mehl
2000 a 2001
- Sérgio Marcos Prosdócimo
2001 a 2002
- Francisco Alberto de Araújo
2002 a 2003
- Giovani Gionédis
2003 a 2004
- Giovani Gionédis
2005 a 2007
- Giovani Gionédis
2008 a 2009
- Jair Cirino dos Santos

atleTIBA:

Atletiba é o nome dado ao confronto entre o time com o A. Paranaense, ambos clubes da cidade de Curitiba, que ocorrem desde 8 de Junho de 1924. Inicialmente, a rivalidade tinha base em suas origens, com cada um deles representando uma camada social, sendo o Coritiba marcadamente o clube dos alemães. A própria fundação dos clubes tem certa dose de rivalidade, visto que os fundadores de um dos clubes que deram origem ao Atlético eram dissidentes do Coritibano, que mais tarde tornou-se Coritiba.

Com o passar dos anos, a rivalidade foi aumentando, fruto dos inúmeros jogos decisivos que disputaram estes dois rivais e os tornaram as maiores torcidas do Paraná.

A primeira vez que o clássico Atletiba decidiu o Campeonato Paranaense de Futebol foi em 1941, com vitória do Coritiba por 1 a 0. Em 1943, o Atlético deu o troco, com duas vitórias por 3 a 2 nos jogos que lhe deram o bicampeonato paranense em 1942 e 1943 e em 1945 nova vitória atleticana, desta vez por 2 a 1.

Em 1968, um gol de Paulo Vechio no último minuto deu o empate por 1 a 1 que garantiu ao Coritiba o título deste ano e começou a mudar a história deste clássico. Em 1969, o Coritiba foi bicampeão e o Atlético conquistou o Campeonato Paranaense em 1970.

A partir daí, começa um período glorioso para o Coritiba, hexacampeão paranense de 1971 à 1977. Se não tivesse perdido o título conquistado pelo Grêmio Maringá em 1977, o Coritiba teria se sagrado eneacampeão parananense, pois conquistou o título estadual também em 1978 e 1979. Caso o Coritiba tivesse ganho também o campeonato estadual de 1970, teria sido campeão por doze anos seguidos, o que seria o recorde brasileiro de conquistas em estaduais.

Neste período áureo do Coritiba as vitórias sobre o atleticanos só ocorreram em finais de campeonato nos anos de 1972 e 1978. Curiosamente, tanto a decisão de 1972, quanto os três jogos finais de 1978 (no qual ocorreram alguns dos maiores públicos da história deste clássico), tiveram como resultado o 0 a 0. Em 1978, o goleiro Manga garantiu o título para o alviverde depois de defender dois pênaltis, mesmo tendo sofrido uma contusão antes das cobranças. Reza a célebre história que o goleiro do Coritiba enfaixou o joelho que não estava machucado, induzindo os batedores do Atlético ao erro.

Outros dois empates, em 1983 (1 a 1) e em 1990 (2 a 2) deram o título para o Atlético, que ainda conquistou mais dois campeonatos em 1998 e em 2000.

Em 2004 os clubes protagonizaram uma emocionante final. No primeiro jogo, vitória do Coritiba por 2 a 1 no Couto Pereira. No segundo jogo, uma brilhante alternância no placar fez com que o título trocasse de mãos quatro vezes durante o jogo, ficando definitivamente com o Coritiba após empate no final da partida.

E, em 2005, foi a vez do Atlético conquistar o título ganhando no tempo regulamentar por 1 a 0 e depois na decisão por pênaltis, quando venceu por 4 a 2, com o ex-jogador do Coritiba Lima fazendo o gol do título para os atleticanos.

Em 2008 o Coritiba conquistou o título do Campeonato Paranaense em um Atletiba decisivo, 2x0 para o Coritiba no Couto Pereira e na Arena da baixada 2x1 para o Atlético Paranaense. Com esse resultado o título fica para o Coritiba.

paraTIBA:

Paratiba é o nome dado ao confronto entre o time com o Paraná Clube, ambos clubes da cidade de Curitiba. É o segundo maior clássico do estado do Paraná, ficando atrás apenas do atletiba em termos de importância e atual relevância.

Os números atuais do confronto ditam 86 jogos, com 32 vitórias do Coritiba, 29 do Paraná e 25 empates. Foram 105 gols do Coxa, e 111 do Paraná.

Torcidas:

Torcida Organizada Império Alviverde
Mancha Verde do Coritiba
Torcida Jovem do Coritiba
Povão Coxa-Branca
Cornetas do Fosso
Coxaceiros
ONG Coritiba Eterno
A Turma do Vô Coxa
Coxa Metal
Movimento Cori Ação
Cotxas


Império é a maior torcida do Coritiba

Mascote:

O time do Coritiba é representado por um simpático velhinho, o Vovô Coxa. O Clube é o mais antigo do Paraná, tendo completado 99 anos no dia 12 de outubro de 2008. O mascote representa assim toda a tradição do Coritiba no estado do Paraná.




Maiores goleadas feita:

1958 - Coritiba 12 x 3 Seleção de Guarapuava
1990 - Coritiba 12 x 0 Prudentópolis
1952 - Coritiba 11 x 0 B.E. Morgenau
1965 - Coritiba 11 x 0 União Olímpico
1942 - Coritiba 10 x 2 Jacarezinho
1926 - Coritiba 11 x 0 Caxias F.C. (Joinville)
1929 - Coritiba 10 x 0 Paranaense F.C.
1929 - Coritiba 10 x 1 Aquidaban S.C.
1947 - Coritiba 10 x 2 S.E. Palmeiras (Curitiba)
1953 - Coritiba 10 x 0 Britânia
1957 - Coritiba 10 x 2 Palestra Itália (Curitiba)

Maiores goleadas sofridas:

1942 - Coritiba 3 x 10 Santos
1949 - Coritiba 3 x 8 Fluminense
1948 - Coritiba 2 x 7 C.R. Vasco Da Gama
1957 - Coritiba 4 x 7 S.E. Palmeiras (São Paulo)
1999 - Coritiba 2 x 6 Paraná Clube
2002 - Coritiba 1 x 6 Paraná Clube

Fontes: Coxa 100 anos e História da Coritiba


Postagem pequena em?Mais o CORITIBA MERECE

AE VERDÃOO

Abraços

SAV

CORITIBA 100 ANOS DE AMOR E GLÓRIAS


Bookmark e Compartilhe

9 comentários:

filipe disse...

parabens ao coritiba por seu centenario, parabens pra voce tambem Pedro pelo post
abrass

Volks e Cia disse...

show de bola

verdao 100 anos

\o\

ahhh q loco
xDDD

Vinicius Grissi disse...

Parabéns ao gigante Coxa e à toda a sua torcida pelos 100 anos. Uma história bonita e recheada de glórias. Pena que este ano o time não tenha estado à altura desta história.

Parabéns pelo time e pelo post.

Ale disse...

Parabéns ao Coritiba!
Mtas glórias a vcs!
ótima postagem Pedro!Mto bem escrita e com um ótimo conteúdo, eu não sabia da metade das coisas q tinha na postagem askoaoksaokpsoaks (principalmente sobre o apelido Coxa branca)
Parabém a todos os torcedores do coritiba! e parabéns pelo blog Pedro, cada vez melhor!

Abraços, Ale.
http://ale-gremista.blogspot.com

Saulo disse...

Parabéns, Coxa!!!

Cristian Corinthiano disse...

iai mlk blz??

achei interessante a história do coxa...
karaka 33 titulos estaduais!!!
flwww

Claudio Henrique disse...

Parabéns ao grande Coxa, que suas glórias se multipliquem até os próximos 100 anos.


Passa lá no meu blog, tem também uma postagem do centenário do Coritiba.

Abraços

Wilson Hebert disse...

Muito bom post, Pedro!

O Coxa merece todas as homenagens pelo seu centenário.

Li tudo e agora posso dizer que sei bem da historia do Cori, o vovo do Parana... Hehehe

Abração!

Só por hoje:

SAV

http://debatsports.blogspot.com

Luiz Carlos Betenheuser Jr disse...

Boa, Pedro! Muito legal este teu trabalho.

Tem cuidado bem do COXA no seu blog, isto é muito, muito importante pro COXA.

Assim se forma novas lideranças. O COXA precisará da nova geração nos próximos anos.
pa
z

Luiz

Voltar Para o Topo